Scooter Fiddle 1

Texto: Arthur Caldeira / Agência INFOMOTO
Fotos: Divulgação

Modelo da Dafra/SYM tem estilo clássico até no motor: monocilíndrico de 125cc usa carburador e produz 10,3 cv de potência. Preço sugerido é de R$ 11.390 – o mesmo do novo Yamaha NMax 160

A onda do design retrô, que pode ser visto em motos como a Ducati Scrambler, as novas Triumph Bonneville e Thruxton, agora chegou também nos scooters. A Dafra anunciou nessa semana o lançamento do novo Fiddle III, mais um scooter de sua parceria com a taiwanesa SYM, que tem um desenho clássico. O modelo, apresentado no Salão Duas Rodas 2015, chega às concessionárias da marca na segunda quinzena de junho com preço sugerido de R$ 11.390. O Fiddle III vem completar a gama de scooters da fabricante brasileira, que já conta com o Cityclass 200i, Citycom S 300i e Maxsym 400i. Segundo Creso Franco, presidente da Dafra, a previsão de vendas é de cerca de 60 unidades por mês.

Com linhas arredondadas, farol único no guidão e roupagem em dois tons, o Fiddle III remete aos clássicos scooters dos anos de 1960. Molduras em volta do farol e da lanterna e os dois retrovisores cromados completam o visual vintage. O visual traz alguns toques de modernidade, como o sistema de iluminação diurna com LEDs em volta das setas e uma entrada USB no porta-objetos no escudo frontal.

Além das linhas retrô, o novo Fiddle III traz de volta um já ultrapassado sistema de alimentação. O monocilíndrico de 124,6 cm³ é alimentado por carburador para gerar 10,4 cavalos de potência máxima a 8.500 rpm – o torque máximo é de 0,87 kgf.m a 6.500 giros. Como todo scooter, o Fiddle III tem câmbio automático CVT.

O tanque de combustível tem capacidade para 6,2 litros. Na Europa, onde o Fiddle já é comercializado – aliás, essa é a terceira geração do scooter da SYM, daí seu nome Fiddle III – o consumo anunciado é de 38 km/litro. Um bom número para um scooter ainda carburado.

Scooter Fiddle 2

Roda pequena

Montado sobre um chassi “underbone”, o Fiddle III pesa 121 kg em ordem de marcha. O baixo peso e o assento a apenas 775 mm do solo faz do novo scooter uma boa opção para mulheres e pilotos mais baixos circularem no trânsito urbano.

Se o visual clássico é um diferencial a favor do novo Fiddle III, as pequenas rodas são uma desvantagem do modelo. Equipado com rodas de liga-leve de 12 polegadas e suspensões de curso limitado – garfo telescópico com 80 mm na dianteira e sistema bichoque com 75 mm na traseira, o novo scooter Dafra/SYM deve sofrer para encarar as nossas mal cuidadas ruas e avenidas.

O sistema de freios conta com discos nas duas rodas e sistema combinado, que a Dafra chama de FH-CBS (Full Hidraulic Combined Brake System), com acionamento hidráulico combinado.

Praticidade e instrumentos

Como todo bom scooter, o Fiddle III traz alguns itens de praticidade. Além do porta-objetos com entrada USB e trava, o escudo frontal traz um gancho para levar uma sacola apoiada sobre a plataforma. Há também um compartimento com capacidade para 20 litros sob o banco. Descanso lateral e cavalete central são itens de série.
O painel é formado por um velocímetro e um marcador de combustível analógicos. Há luzes de advertência e um pequeno relógio digital.

Scooter Fiddle painel

Mercado

Além do líder Honda PCX (vendido a partir de R$ 10.814) e equipado com motor de 150cc e freios combinados, o Fiddle III vai enfrentar o recém-lançado Yamaha NMax. Com o memso preço sugerido do Fiddle III, R$ 11.390, o NMAx tem motor de 160cc com refrigeração líquida e o diferencial do freio ABS nas duas rodas.
O preço elevado do Fiddle 125 não será um problema, analisa o presidente da Dafra, Creso Franco. “O nosso “Violino” (“Fiddle”) é um produto de nicho, mais um scooter em parceria com a SYM. Trata-se de produto retrô, de alta qualidade e produção mundial diminuta, para um público diferenciado, de muita personalidade e estilo. Produtos para pequenos nichos possuem preço unitário um pouco maior”, completou Franco.