Street Cup tem motor de 900cc e 55cv. Dotada de freios ABS e controle de tração de série sai por R$ 41.990
 
 
A Triumph quer repetir no mercado brasileiro o sucesso que suas “clássicas-modernas” atingiram no exterior – hoje os modelos são responsáveis por cerca de 50% das vendas mundiais, afirma o gerente geral da marca no Brasil, Waldyr Ferreira. Para isso vai ampliar o line-up com três novos modelos. A primeira delas é a Street Cup, que chega às concessionárias da marca com preço sugerido de R$ 41.990 já com freios ABS e controle de tração de série. À essa nova opção cafe racer irão se juntar a estilosa Bobber e a Street Scrambler – a serem lançadas ainda neste primeiro semestre.

A nova Street Cup ostenta um pequeno para-brisa e a capa arredondada sobre o banco da garupa que caracteriza as cafe racers. Pintura em dois tons e os espelhos fixados nas extremidades dos guidões completam o estilo típico das motos inglesas dos anos de 1950 e 60, que hoje voltou à moda pelas mãos dos customizadores.
O motor é o mesmo da Street Twin, modelo de entrada da linha de clássicas da Triumph vendido a R$ 38.900. O bicilíndrico de 900 cc com refrigeração líquida produz 55 cv de potência máxima a 5.900 giros, mas se destaca pelo torque de quase 10 kgf.m já disponível a 3.200 giros.

A ciclística, porém, ganhou algumas “gotas” de café. O ângulo de cáster foi reduzido e a suspensão traseira, elevada. O objetivo foi tornar a Street Cup mais ágil e precisa nas curvas.
 
 
Diversão garantida

A nova Street Cup agrada quem curte o visual retrô e também diverte quem gosta de pilotar uma moto. Apesar do guidão estilo “ace”, curvado para baixo, a posição não é incômoda para passeios curtos e nem mesmo para o dia-a-dia. No lançamento, rodamos cerca de 130 km no trânsito urbano de São Paulo (SP) e em rodovias – com direito a uma sessão de 15 minutos na pista de um kartódromo. A posição não sobrecarrega os pulsos e nem cansa as pernas e a Street Cup roda surpreendentemente bem entre os carros, mas os espelhos retrovisores exigem cuidado.

O motor bicilíndrico tipicamente inglês contribui para a diversão. Com torque de sobra, permite rodar tranquilamente, mas responde com vontade já a partir de 3.000 rpm. Para controlar essa “força” a Street Cup vem com controle de tração, que pode ser desligado.

Embora não impressione, a potência de 55 cv é mais que suficiente para ultrapassar a velocidade máxima das rodovias, caso descuide do acelerador. A embreagem deslizante com acionamento macio e o suave câmbio de cinco marchas tornam o passeio com a Street Cup ainda mais agradável.

A nova geometria do quadro e a posição de pilotagem projetada à frente aumentam a confiança para deitar nas curvas – não tanto a ponto de ralar as pedaleiras na pista, mas o bastante para fazer o motociclista curtir uma rodovia sinuosa. Os freios – com uma nova pinça deslizante Nissin no único disco dianteiro – cumprem seu papel, mas a “mordida” podia ser mais instantânea. O ABS permanente nas duas rodas garante a segurança.
 
 
Café mais “acessível”

A Street Cup pretende ser uma opção mais acessível do que a Thruxton R, modelo top da linha de clássicas da Triumph no Brasil, que é vendida a R$ 55.500. Além do preço mais em conta, R$ 41.990, a recém-lançada cafe racer de 900cc é mais controlável e seu assento é mais baixo: está a apenas 780 mm do solo. O consumo em torno de 21 km/litro faz dela também uma estilosa moto para os deslocamentos diários.

O preço, embora elevado, está no mesmo patamar de concorrentes como a Ducati Scrambler Full Throttle (R$ 41.900) e a Harley-Davidson Iron 883 (R$ 40.500). Entretanto o valor coloca a Street Cup acima de outros modelos da própria marca inglesa, como a Tiger 800 XR, cotada a R$ 38.590. Notoriamente mais versátil, a bigtrail “rouba” alguns clientes das clássicas inglesas, mas não oferece o mesmo charme da Street Cup.
 
 
TEXTO: Arthur Caldeira / Agência INFOMOTO
FOTOS: Divulgação